A Dança dos Dragões – George R. R. Martin

A Dança dos DragõesO segundo livro mais longo da série e um breve comentário…

Bem, certamente este livro é melhor que seu antecessor, pois alguns dos personagens mais interessantes, como o anão Tyrion, Daenerys, Bran, e o jovem Jon Snow estão de volta! Além disso, perto do final, as tramas do quarto e quinto livro se fundem novamente e voltamos a ver Cersei e Arya (mas não Sansa ou Samwell). No livro temos tramas na Muralha, nas Cidades Livres, na Baia dos Escravos, Norte e Sul de Westeros. Achei um pouco inesperado o retorno de Theon Greyjoy (no Norte). Além destes, retornam sua irmã Asha, o tio Victarion (quer casar com a Dany) e algumas outras subtramas com novos personagens também, como um dos príncipes de Dorne, Quentyn Martell, que busca firmar casamento com Daenerys (todo mundo quer casar com essa moça!). Também temos personagens já apresentados que em algum momento tem capítulos sob seus pontos de vista, como a sacerdotisa vermelha Melisandre e o velho cavaleiro Barristan Selmy (gostei do apelido Sor Vovô!)

O autor mantém bem seu estilo, com inúmeros personagens de suporte tramas pessoais e históricas e descrições minuciosas que vão solidificando cada vez mais esta terra fantástica. Entretanto o desfecho pode ser um pouco decepcionante, algo como um coito interrompido. Acaba sendo complicado falar mais e mais sobre o livro sem o risco de incluir spoilers (se é que já não incluí alguns!)

Agora nos resta aguardar os próximos dois livros (e que sejam mesmo só dois, pois mesmo gostando bastante, a coisa toda começa a ficar um pouco cansativa). E que venha “The Winds of Winter”. Aí sim: “O Inverno está chegando”!

Leia Mais

O Festim dos Corvos – George R. R. Martin

O Festim dos CorvosBem, este foi o livro da série que menos gostei até agora. Não que seja ruim, mas a decisão do autor de dividir um livro em dois teve lá seus efeitos colaterais.
Neste livro, acompanhamos os eventos após A Tormenta das Espadas, mas apenas de alguns dos personagens, sendo eles: Jaime e Cersei Lannister, Samwell Tarly, Brienne de Tarth, Aeron, Asha e Vicktarion Greyjoy, Sansa e Arya Stark e alguns personagens de Dorne, Areo Hotah, Arianne Martell e Sor Arys Oakheart. Jon, Tyrion e outros ficaram de fora…

Bem, com algumas de suas estrelas de fora e novatos não tão cativantes a leitura do quarto volume pode se tornar um pouco penosa em alguns pontos. Diria que os pontos altos estão nas histórias de Arya, Sansa (e Mindinho), Jaime e Brienne. Cersei cumpre bem o papel de vilã na medida em que Jaime segue sustentando escolhas e honra que podem torná-lo mais apreciável por alguns leitores.

Samwell fica no meio do caminho e as linhas de história que se passam nas Ilhas de Ferro e em Dorne são a parte pior.

O problema deste livro, no meu ver, está relacionado a livros impressos. Os dois juntos ficariam enormes e não houve planejamento suficiente do autor para um ponto de corte ideal na trama. Num futuro de e-books, este funcionaria muito bem como volume único se juntado à Dança dos Dragões.

Mas o balanço geral é que é um grande livro que mantém o excelente nível de tramas, ambientações e personagens muito bem construídos.

Para meu alívio (e dos amigos leitores da série) o quinto livro tem funcionado muito bem até onde li (uns 70%) e volta ao mesmo patamar de qualidade dos três primeiros.

Leia Mais

A Tormenta das Espadas – George R.R. Martin

Capa Tormenta das EspadasChegamos ao terceiro livro da série, Crônicas de Gelo e Fogo. O tipo de experiência do leitor é bem semelhante a dos livros anteriores. Continuamos a acompanhar Arya, Bran, Catelyn, Sansa, Jon, Tyrion, Daenerys e Davos e as novidades ficam por conta de Jaime Lannister e Samwell Tarly.

Um dos aspectos interessantes deste terceiro livro é que ele vai aos poucos revelando questões que eram mistérios do primeiro e segundo livros. Outra coisa é que a natureza mística e fantástica por trás do mundo vai ficando cada vez mais importante.

Neste volume nos aprofundamos em conhecimentos de Westeros e muito do que aconteceu no passado, antes e durante a deposição da dinastia dos Targaryen é revelado. Relações ocultas entre personagens vão sendo reveladas. A situação vivida em cada um dos arcos de história são bastante tensas. E é claro, aquele velho roteiro recheado de surpresas… George RR Martin continua nos mostrando uma história um bocado imprevisível. Ás vezes ficamos com aquela sensação de que os acontecimentos avançam em câmera lenta, queremos saber o que vai acontecer com determinado personagem, mas tem tanta coisa acontecendo em paralalelo que a história parece caminha num passo lento.

Sem querer colocar muitos spoilers, temos alguns pontos interessantes nesse livro. A batalha dos selvagens contra a patrulha da Noite no norte começa (mas ainda está longe de acabar). Os outros já marcam mais sua presença, mas parece que ainda há muito por vir. Daenerys começa a crescer em poder e fica a sugestão que em algum momento do futuro ela de fato irá conseguir marchar para reconquistar Westeros. Arya e Bran, continuam suas buscas individuais. Samwell ajuda a narrar mais acontecimento no norte e cada vez mais interessantes aspectos místicos se revelam. Tyrion divide o posto de melhor personagem agora ao lado do irmão Jaime, que tem um interessante arco de história neste volume. Ele evolui de um personagem secundário para principal e apesar de ter sido retratado como vilão nos livros anteriores, o leitor poderá se ver gostando dele, passando assim ao status de anti-herói. Catelyn segue por um caminho de sombras e culpas e continua tendo notícias ruins sobre a sua família. O arco com Davos e o Rei Stannis também evolui de forma estimulante a evolução deste arco de história promete!

Bem, se não leu nenhum dos livros, leia logo, é uma série muito boa e que vale ser lida. Até então, o autor consegue manter o bom nível dos romances. Penso que este último volume é o que mais gostei até então…

Leia Mais

A Fúria dos Reis – George R. R. Martin

Fúria dos ReisFiquei devendo essa resenha também (terminei de ler o livro uns meses atrás). Considerando os aspectos gerais da obra, acho que vale tudo o que dissemos sobre o primeiro livro das Crônicas de Gelo e Fogo, A Guerra dos Tronos, e não vamos repetir.

O autor segue com a mesma estrutura do primeiro livro, cada capítulo revela parte da trama sob o ponto de vista de um personagem. Temos dois novos “portadores de capítulo”, Theon Greyjoy (que já vimos no primeiro livro) e Davos, um cavaleiro de origem popular que serve Stannis Baratheon, a um dos reis que disputam o trono dos Sete Reinos. Os Stark ainda tem a maioria da participação. Para se ter uma noção da ênfase dada a cada personagem, contamos, três com Davos, Cinco com Daenerys, 7 capítulos para Catelyn e para Bran, Jon e Sansa empatados com oito, Dez para Arya, e o grande “vencedor” com quinze capítulos: Tyrion.

Sob este ponto de vista notamos que o autor parece ter crescido seu gosto por Tyron, que continua sendo o personagem mais interessante da série até então. A linha de estória de Arya também é muito interessante, coincidentemente é a minha segunda personagem favorita.

O segundo livro também é muito bom, mas um pouco menos encantador que o primeiro. É um livro de meio de série dá aquela sensação de saindo do meio de algo e de chegar a lugar algum. As múltiplas tramas e personagens “redondos”, com seus vícios e virtudes, continuam o ponto forte a obra. Um retrato um pouco amargo e violento da natureza humana. A magia (e religião) que apareciam timidamente no primeiro volume, revelam-se mais presentes na continuação e causando consequencias fortes no curso da estória.

A trama principal gira em torno da disputa pelo trono dos Sete Reinos (ou sua divisão em feudos) entre Joffrey Baratheon, Stannis o irmão mais velho (vivo) do rei Robert, do caçula Renly, Robb Stark (o rei do Norte) e Balon Greyjoy (das Ilhas de Ferro).

Em termos de expansão gradual do universo criado, o leitor irá conhecer mais da história pregressa à cronologia presente enquanto visita uma nova locação nos Sete Reinos, as Ilhas de Ferro sob o olhar de Theon Greyjoy que finalmente regressa a seu lar após longo exílio. Já a jornada de Daenerys mostra mais do mundo ao leste, em especial a cidade Qarth, um lugar cheio de facções de poder. Os dragões da herdeira dos Targaryen chamam a atenção de muitos por aquelas bandas e podem trazer vantagens ou problemas à líder do pequeno bando de Dothrakis remanescentes do grande grupo liderado pelo seu falecido esposo, Khal Drogo.

Bom, o objetivo não é ficar contado detalhes da estória e constituir “spoilers”… Neste sentido o resumo é que: é ligeiramente menos empolgante que o primeiro, as características da obra se mantém e novos horizontes são abertos. Nos deixa um bocado curiosos o que ainda vem por aí… Sete livros de “mil páginas” (versões em inglês) cada… De certo, quando completa as Crônicas de Gelo e Fogo serão uma das mais longas sagas de fantasia já produzidas.

Neste meio tempo, fiquei conhecendo esse site muito bacana com notícias e resumos completos dos livros da série, vale dar uma conferida: http://towerofthehand.com/

Leia Mais

A Guerra dos Tronos – George R. R. Martin

O tempo para escrever essa resenha foi longo. Ganhei A Guerra dos Tronos no meu aniversário no início de fevereiro e terminei sua leitura ainda neste mês. Gostei muito do livro e depois também da série da HBO. Mas quando o assunto era escrever a resenha do livro, fiquei bloqueado. Havia muito o que dizer e não sabia por onde começar. E fui adiando isto até agora que terminei de ler o segundo livro, A Fúria dos Reis. Além de tudo aquela dúvida: será que o mundo realmente precisa de mais uma resenha deste livro, que já é um best seller? Bom, pode ser que não, mas minha conclusão é que eu preciso escrevê-la para praticar e dar continuidade à linha de trabalho que estou desenvolvendo aqui no blog.

Antes de falar do livro em si, um fato curioso que descobri nesta entrevista com o autor e que é legal de compartilhar:

Durante o período no qual eu estava desenvolvendo pilotos (para TV) e escrevendo filmes, me disseram várias vezes que eu estava fazendo tudo muito grandioso e caro. Eu ouvia direto “George, esse roteiro está ótimo mas para produzi-lo vamos precisar do triplo do nosso orçamento. Você tem que cortá-lo”. Eu voltava, relia tudo e cortava. Eu me cansei de ter que cortar roteiros. Estava cansado de conversa; tive que cortar cenas ótimas que eu realmente achava que davam um toque especial em alguns desses projetos. Eu vim do mundo da prosa antes de me envolver com TV e cinema. Passei 15 anos escrevendo contos e romances, então eu estava voltando ao meu primeiro amor. Eu sabia que quando se escreve um livro não há preocupações com orçamento. Você não fica limitado àquilo que pode ou não fazer por causa de efeitos especiais e tecnologia. Não há limites temporais, pode escrever o quanto quiser. Dá pra ter uma história massivamente longa, mas ela também pode ter todos os tipos de cena, cenários e batalhas diferentes. Dá pra ter um elenco de personagens com 100, 1000 pessoas. Foi isso que eu fiz. Eu escrevi o melhor livro que pude pensando que ele provavelmente seria eternamente somente um livro, mas tudo bem. Eu amo livros. Então, tudo isso do seriado me deixou bem feliz, ainda que haja uma ironia, especialmente se você considerar que, de 1990 a 1995, eu fiz de tudo para criar uma série televisiva. Escrevi seis pilotos e nenhum deles foi comprado. Quando você para de tentar, parece que tudo cai do céu.

Bom, então vamos lá! A Guerra dos Tronos, volume 1 das crônicas de Gelo e Fogo.

“Na guerra dos tronos, ou você vence, ou morre. Não há meio termo.”

A primeira coisa a notar sobre o livro (e suas seqüências) é que o autor quebra algumas características do que se espera quando vamos ler um livro de fantasia. A trama é centrada em intriga política de uma sociedade feudal sendo que a magia e fantástico ficam relegados a um segundo plano. Ou seja algo como fantasia medieval e não “alta fantasia” ou mesmo “fantasia heróica”. Se você acabou de ouvir falar no livro, ou já viu a adaptação para a TV saiba que esses livros não são para as crianças ou os “fracos de coração”. Há violência abundante e o sexo (alguns diriam) é pornográfico. O autor não faz rodeios, retrata um mundo brutal de traições, assassinatos, luxúria e ganância, em que até os protagonistas (até mesmos crianças)  têm de ser cruéis se quiserem sobreviver.

O leitor pode demorar a se acostumar com o ritmo de narração estabelecido. Há muitos personagens e tramas simultâneas, mas aqueles que não se desanimarem com o início serão recompensados conforme o progresso da leitura. Antes de ser um livro de uma história sendo contada é um livro de tramas de um conjunto de personagens. Ele tece seu conto de muitos fios e consegue transmitir uma sensação de realidade para cada personagem. Diferente de muitas outras histórias de fantasia, não temos uma divisão clara de “bons” e “maus”. Em vez disso, cada personagem manifesta suas virtudes, vícios, seus demônios interiores e egoísmo. O autor é competente ao tornar cada um dos personagens originais e detalhar suas personalidades e maneirismos.

A perspectiva muda de capítulo para capítulo, com seus personagens principais alternando diferentes perspectivas de um arco de história maior às vezes um pouco difícil de enxergar claramente. Alguns deles sabem o que os outros personagens estão fazendo, alguns pensam que sabem, e alguns nem suspeitam. Mas de algum modo a trama complexa avança e o leitor é conduzido adiante. Martin é cruel para os seus personagens. Ninguém está a salvo. Ninguém. Mesmo quando você pensa que está conhecendo a natureza de um dos protagonistas, eles podem surpreendê-lo. É difícl separar o preto do branco. Um personagem, por exemplo, comete um crime horrível no início da série, e é conhecido por ter cometido outro. Conforme a trama avança e o personagem é desenvolvido, torna-se mais difícil fazer um julgamento simples, pois ele toma algumas ações pelas quais o leitor pode passar a admirá-lo.

O centro de ação gira em torno da família Stark, o patriarca Eddard Stark, sua esposa Catelyn e seus filhos Bran, Arya, Sansa e seu bastardo Jon Snow. Destes Arya se destaca bastante fazendo com que fiquemos felizes ao voltar ler um de “seus” capítulos. “O inverno está chegando”, diz o lema da Casa Stark, algo verdadeiro, pois o frio atinge severamente o norte do Sete Reinos durante seus longos invernos. Winterfell fica ao sul da muralha que separa os Sete Reinos dos ermos selvagens de para-lá-da-muralha onde antigos poderes sobrenaturais se reúnem representando uma ameaça maior do que qualquer um pode conceber.

Quando a Mão do rei Robert Baratheon (leia-se “braço direito”) morre, ele faz uma longa jornada para pedir ao seu velho amigo, Lord Eddard Stark de Winterfell, para tomar esta posição.  A partir daí toda a trama começa a se desenrolar.

Os dois personagens fora da família Stark, geram boa parte da sustentação e interesse ao conjunto da obra. De um lado o anão, Tyrion, fornece uma perspectiva  sarcástica e contraponto, pois ele está teoricamente do lado dos “maus”. Isso se confirma no segundo livro mantendo-se como um personagem bem legal de se acompanhar. A outra, Daenerys Targaryen (Dany), está em outro continente e envolve-se com um povo que lembra a civilização Mongol, os Dothraki. Ela é herdeira da antiga linhagem de reis deposta pelo atual rei com apoio dos Stark (entre outros). Sua participação na trama gera uma expectativa de que durante a série haverá um arco de história maior que a disputa interna pelo trono de Westeros.

Vale lembrar que um livro sombrio sem muitos meio termos. Se estiver preparado para isto, acredito que a leitura pode se tornar um bom divertimento.

Leia Mais