O Talismã do Poder – Crônicas do Mundo Emerso

Enfim a conclusão de mais uma trilogia: Crônicas do Mundo Emerso. O que me fez pensar: de veio esse gosto por trilogias? Um pequeno desvio e encontramos no verbete trilogia, da wikipedia em inglês, um pouco do histórico deste tipo de obra e um curioso caso explicando que “O Senhor dos Anéis” não é uma trilogia, como muitos pensam. Lá encontramos também (vale conferir) links para trilogias literárias e trilogias de fantasia.
Na conclusão da série, a semi-elfo, Nihal, o mago, Senar e o escudeiro, Laio, partem numa jornada para reunir as oito pedras que irão compor o talismã. Este artefato constitui o único poder capaz de fazer frente ao Tirano. As pedras são guardadas por oito espíritos localizados em templos, um em cada uma das terras do Mundo Emerso. Ael, água; Glael, luz; Sareph, mar; Thoolan, tempo; Tareph, terra, Goriar, escuridão; Mawas, ar; Flar, fogo.
Em paralelo a esta busca é evidenciada a jornada do gnomo, Ido, como Cavaleiro de Dragão e sua busca por redenção. O destino de Ido passa ser o confronto com um dos principais servos do Tirano, o Cavaleiro de Dragão Negro, Deinóforo.
Durante a aventura, completa-se o ciclo de apresentação de cada uma das terras do Mundo Emerso. Aos poucos, conhecemos sobre a história do Tirano, suas conquistas e da verdade sobre o extermínio dos semi-elfos, o povo de Nihal.
No terceiro livro o tom dos anteriores é mantido, porém um pouco mais sombrio e repleto de justificação filosófica. O tema da violência que esteve presente desde o primeiro livro torna-se mais evidente e no final a discussão gira em torno da civilização do mundo emerso, seus povos, terras e indivíduos que são capazes de amar, mas também de odiar. O que seria mais forte? O que prevalece, ódio ou amor? São todos seres vítimas do ódio? Os que tiveram vivências violentas e carregam sangue e morte nas mãos, podem ser perdoados? Podem se recuperar? Podem encontrar redenção e paz?

Estas não são questões respondidas, mas algo em que a autora nos convida a pensar, e, neste ponto, surge algo positivo desta saga. Poderia ser apenas
uma aventura em terras fantásticas, cheia de confrontos envolvendo criaturas fantásticas e estranhas raças, mas não. São histórias de personagens que vivem sob conflito e de alguma forma procuram por sentido em suas vidas, agarrando-se a ele ou sacrificando-se para conquistá-lo.

Enfim, a conclusão da série não traz muitas surpresas. É possível imaginar o desfecho da série desde o primeiro livro; e por falar em desfecho, o epílogo é construído de maneira interessante e dá notícia do destino dos principais personagens vistos durante a série. Abre-se também a perspectiva de continuidade de histórias no Mundo Emerso. Vale lembrar que a segunda trilogia (ah, trilogias) chamada Guerras do Mundo Emerso que se passa quarenta anos depois desta série já tem os dois primeiros livros editados pela Rocco: livro 1 – A seita dos assassinos e livro 2 – As duas guerreiras.
É isso! Balanço final: gosta de fantasia? Vale conhecer esta série e o estilo desta autora. Não se sobressai como outros autores de fantasia como
Tolkien, George R. R. Martin e Michael Moorcock, mas certamente ajuda a compor o gênero com seus personagens interessantes, alguns irritantes e outros memoráveis.

Leia Mais

A Missão de Senar – Crônicas do Mundo Emerso

Missão de Senar * Leia também, a resenha do primeiro livro da série: A Garota da Terra do Vento.

No segundo livro da trilogia Crônicas do Mundo Emerso da italiana, Licia Troisi, acompanhamos duas histórias paralelas. De um lado, Senar, jovem mago do conselho, tem como objetivo alcançar o lendário Mundo Submerso e lá buscar ajuda para combater o Tirano. Para tal, precisa empreender uma perigosa viagem marítima. Do outro lado, Nihal, continua seu treinamento para obter o título de Cavaleiro de Dragão. Ela, cada vez mais, está presente na guerra contando com o apoio do escudeiro e amigo Laio.

Enquanto isso, o Tirano avança cada vez mais em seu propósito de conquistar todas as terras do Mundo Emerso. A autora mantém o contraste entre seres pacíficos, e pessoas comuns com a súbita e arrebatadora violência que cai sobre estes, derrotando-os, ou então, tornando-os igualmente violentos e belicosos.

Alguns novos personagens memoráveis também surgem, como o mago Megisto, a bruxa Reis e a pirata Aires. Ido continua sendo um personagem de interesse e neste livro conhecemos mais sobre seu passado. O mentor de Nihal, de fato, é um dos personagens mais fortes criados por Troisi. Todo o peso do mundo cai, cada vez mais, sobre os ombros de Nihal, que passa a compreender que o destino do Mundo Emerso pode de fato estar em suas mãos.

Enfim, as crônicas do Mundo Emerso, podem não agradar um leitor exigente, mas é uma aventura de fantasia suficientemente bem construída, com personagens interessantes, violência contrastada algum romance e amizade e elementos fantásticos capazes de tirar nossa mente da realidade para imaginar e construir outro mundo junto com a autora durante a leitura.

Logo mais, comentamos a conclusão.

Leia Mais

A Garota da Terra do Vento – Crônicas do Mundo Emerso

Não se julga um livro pela capa, já diziam… Bem, o que me colocou em contato com este romance foi justamente a capa. Gosto muito de ilustrações de capa de livros de fantasia de boa qualidade. Comecei isso com a série Dark Sun/Prism Pentad que tem ótimas ilustrações do artista Gerald Brom. Anos atrás, vi “A Garota da Terra do Vento” e pensei: um dia eu compro.

A Garota da Terra do Vento é o primeiro livro da trilogia Crônicas do Mundo Emerso escrita pela autora italiana Licia Troisi.

A ilustração da capa, mostra a protagonista, Nihal a garota que sonha ser um guerreiro em uma terra machista, que não admite tal idéia. Nihal habita a cidade em forma de torre, Salazar, uma das muitas que compõe a Terra do Vento. Mora com seu pai Livon, um experiente armeiro e vive uma vida tranqüila, apesar da proximidade do Tirano, que ameaça a liberdade de todas as terras do Mundo Emerso.

O Mundo Emerso é uma terra fantástica habitada por homens, dragões, gnomos, ninfas, duendes e os terríveis fâmins. Das oito terras que circundam a torre do Tirano, Terra do Vento, Água, Mar, Sol, Dias, Noite, Fogo e Rochedos, apenas quatro ainda são terras livres da invasão e dominação dos exércitos do Tirano. O lar de Nihal é uma destas terras livres defendidas por magos, reis, exércitos e pela ordem do Cavaleiros de Dragão.

O livro tem um início bastante lento e se não fosse o fato de já ter adquirido toda a série, talvez tivesse desistido da leitura. Pode até fazer o leitor pensar que a história é inocente e idealizada, ou mesmo rasa. No entanto, conforme a história se desenvolve, torna-se cada vez mais sombria e violenta evidenciando o tema principal tratado pela autora: a transformação interior da protagonista, de uma menina inocente, romântica e que tem o sonho de tornar-se um guerreiro em uma mulher que aprende aos poucos sobre perdas, guerras, persistência, a conhecer seu íntimo e finalmente encontrar o sentido de sua existência.

Apesar de fortemente baseado em elementos comuns em tantos mundos de fantasia e transparecer um pouco de inspiração em características presentes em ambientações de RPG, a autora, aos poucos descreve e desenvolve sua ambientação distinguindo de outras com suas características únicas. A jornada de transformação de Nihal, pode aborrecer alguns leitores, uma vez que repete-se um pouco, oscilando entre ser privilegiada por coincidências que a favorecem no enredo e desastres que a desfavorecem devido à sua própria imaturidade.

É um pouco do que dá para contar sem entrar em detalhes da história. Vale destacar, além da protagonista, alguns personagens que acompanham a garota em sua jornada, tais como o mago Senar, o duende Phos e o Cavaleiro de Dragão, Ido.

O ponto forte do romance é justamente o segundo ato, sendo que o primeiro, como comentamos é um pouco lento e o terceiro deixa um pouco a desejar  pela ausência de um clímax. Mas devido ao segundo ato, ambientação interessante, alguns bons diálogos, desenvolvimento psicológico da personagem, bons personagens de suporte e a promessa dos livros seguintes, A Garota da Terra do Vento é um título que vale a pena conferir.

Um fato curioso sobre o romance, não sei se devido à uma escolha do tradutor, é que é todos os diálogos são em segunda pessoa. Algo incomum nas obras escritas em “português brasileiro”. Vejamos como segue a série. Logo mais conto por aqui.

Ilustrações

Veja também, as ilustrações de capa de todos os romances da escritora ilustradas pelo artista Paolo Barbieri.

Mais adiante

Já está disponível em português a segunda trilogia, Guerras do Mundo Emerso, que se passa 40 anos depois da primeira. E ainda apenas em italiano, Le leggende del Mondo Emerso (Lendas do Mundo Emerso) que se passa 50 anos depois da segunda. A mais nova saga da autora, La ragazza drago (A Garota Dragão) não é ambientada no Mundo Emerso, mas sim na cidade de Roma, num mundo inspirado na mitologia nórdica num mundo onde existem dragões.

Leia Mais